DETENÇÃO DE ANTÓNIO VILELA E JOÃO LUÍS NOGUEIRA: Procuradoria refere «corrupção, abuso de poder e participação económica em negócio»

A Procuradoria-Geral Distrital do Porto referiu esta tarde em comunicado serem «investigados factos que o Ministério Público entende subsumíveis aos tipos legais de crime de corrupção, prevaricação, participação económica em negócio e abuso de poder».

De acordo com o comunicado do órgão dirigido pela procuradora-geral distrital no Norte, Raquel Desterro (na foto) afirma-se que «no contexto de várias notícias publicadas nos órgãos de comunicação social reportando a detenção do presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, a Procuradoria-Geral distrital do Porto confirma a detenção de duas pessoas, no âmbito de inquérito a correr termos no DIAP da Comarca de Braga (Braga, 1.ª Secção), uma das quais o aludido autarca», referindo-se ao edil local, António Vilela.

«O Ministério Público promoveu na tarde do dia de hoje a apresentação dos detidos perante juiz de instrução, para sujeição a primeiro interrogatório judicial de arguido detido», acrescenta a nota oficial do Ministério Público.

DILIGÊNCIA INTERROMPIDA

Entretanto, a diligência judicial desta tarde, no Palácio da Justiça de Braga, foi interrompida, encontrando-se ainda dentro da sala de audiências – à porta fechada – os advogados Paulo Costa e Sebastião Marques Quarenta, que se encontram a defender António Vilela e João Luís Nogueira, respectivamente.

Na Praça da Justiça, cá fora, estão o chefe de gabinete de António Vilela, Paulo Renato Rocha, e também o adjunto do presidente, Carlos Tiago Alves.

---
Redacção / Joaquim Gomes (CP 2015)
ovilaverdense@gmail.com