CASO SPDE/Pinto da Costa – “Edu”, o principal arguido, confirma almoço com oficiais da PSP para «esclarecer»

O principal arguido do Caso SPDE/Pinto da Costa, Eduardo Silva (“Edu”), proprietário da empresa de segurança privada que faz a vigilância no Estádio do Dragão, recomeçou esta manhã a prestar declarações, confirmando já ter almoçado com dois oficiais da PSP, para «esclarecer» incidentes no Dragão.

O Tribunal Colectivo está a interrogar acerca de um almoço com dois oficiais da PSP, promovido pelo ex-agente da PSP Alberto Couto (“Joca”) e primo de Bruno Pinto (“Pidá”), colaborador de “Edu”, sobre o almoço com dois oficiais superiores da PSP, os intendentes Leitão e Neto, em que terão ainda estado numa mesa próxima dois outros arguidos no processo, Nélson Matos e Jorge Sousa, num restaurante em Lavra, zona Cabo do Mundo, Matosinhos.

Tudo porque alguns vigilantes da empresa SPDE se terão excedido durante um jogo no Estádio do Dragão e entrado em conflito com agentes da PSP do Porto e visando o almoço «esclarecer» eventuais mal-entendidos no estádio.

A sessão de hoje ficou marcada pela colocação, a primeira vez desde o início do julgamento, de Eduardo Silva (“Edu”) próximo dos magistrados e dos advogados, nomeadamente do seu defensor, Artur Marques, já que até então dialogava com os juízes, o procurador e o advogado sempre do fundo da sala.
O julgamento decorre desde esta quarta-feira, anteontem, no salão nobre dos Bombeiros Voluntários de Guimarães, sob rigorosas medidas de segurança, a cargo da PSP de Guimarães e de Braga, bem como da Unidade Especial de Polícia e também do Grupo de Intervenção dos Serviços Prisionais (GISP).

---
Redacção / JG (CP 2015)
ovilaverdense@gmail.com