ÚLTIMA HORA (Praia do Faial/PRADO): Câmara de Vila Verde «estranha» manutenção da interdição e questiona análises da Autoridade de Saúde

A Câmara de Vila Verde não se conforma com a manutenção da interdição a banhos da Praia Fluvial do Faial, na vila de Prado. «Não se compreende, e estranha-se, que o mesmo rio tenha uma bandeira vermelha numa das margens e uma bandeira verde na margem oposta», refere a edilidade, em nota enviada, ao início da tarde, à nossa redacção. E levanta uma questão sobre as análises à água do Rio Cávado: «Como é possível que laboratórios diferentes apresentem resultados diferentes com amostras de água colhidas no mesmo dia, hora e local?».

Desde sexta-feira que a Praia Fluvial de Merelim, do lado de Braga, já tem bandeira verde, mas a praia do Faial, na Vila de Prado, continua vermelha; daí interdita a banhos. O caso narrado pelo jornal “o Vilaverdense” e constatado pela maioria dos veraneantes está a gerar desconforto entre as diferentes autoridades envolvidas no processo.

A Câmara de Vila Verde vem agora apontar como «estranha» a posição da Delegação de Saúde do Norte, quer quanto às análises que motivaram a interdição, quer quanto à forma como o processo está a ser gerido (ver comunicado na íntegra).
Deixa ainda uma garantia: «O município de Vila Verde, apesar dos esforços já realizados, vai continuar a exigir uma fiscalização rigorosa aos possíveis focos de contaminação e articular com as entidades competentes medidas que possam devolver o mais breve possível este espaço de veraneio aos amantes da praia fluvial do Faial».


ESCLARECIMENTO - PRAIA FLUVIAL DO FAIAL
As margens dos Rios Cávado e Homem tem sido objeto de grandes investimentos pelo Município de Vila Verde onde se encontram hoje áreas de lazer requalificadas que são grandes mais valias e constituem autênticas áreas de lazer e atratividade para o concelho. A preservação da qualidade das águas tem merecido uma atenção especial por se considerar que a sua qualidade é essencial e contribui para o desenvolvimento do concelho.

Neste sentido, o município tem desenvolvido uma monitorização da qualidade das águas destes rios tendo as análises efetuadas revelado resultados que comprovam a excelência das mesmas.
A Praia Fluvial do Faial na Vila de Prado tem sido ao longo dos últimos anos um ex-libris em termos área de Lazer ribeirinhas, uma das praias fluviais mais frequentadas do país. Nos últimos dias, por determinação da Autoridade de Saúde Local, assim como aconteceu com a Praia Fluvial de Merlim, no concelho de Braga, tem estado interdita para banhos.

Neste fim de semana, a autoridade de Saúde de Braga procedeu à recolocação da bandeira verde na Praia Fluvial de Merlim, na margem contrária da Praia Fluvial do Faial. Esta situação revela-se muito estranha uma vez que quem acede ao Rio pela Margem Esquerda, ou seja, no concelho de Braga encontra água própria para banhos, enquanto aqueles que decidirem ter acesso às mesmas águas pela margem direita, ou seja na praia fluvial do Faial no concelho de Vila Verde, encontram a bandeira vermelha.

Esta situação ainda se torna mais estranha na medida em que foi identificado um possível foco de contaminação que tem precisamente origem ma margem esquerda. (fotos em anexo). Acresce ainda que o município de Vila Verde para clarificar a situação em articulação com a autoridade de saúde procedeu à colheita de água em dois pontos do rio, no mesmo dia, hora e local sendo executadas pela mesma profissional da delegação de saúde (análises em anexo/imagens).

Estas amostras foram enviadas para análise nos laboratórios da Autoridade de Saúde e para uma Laboratório contratado pelo município de Vila Verde que é certificado e acreditado para aquele parâmetro. Os resultados revelaram-se contraditórios, ou seja, positivo no laboratório da Autoridade de Saúde e negativos no laboratório que realizou as análises para o município.

É pertinente colocar a seguinte questão: Como é possível que laboratórios diferentes apresentem resultados diferentes com amostras de água colhidas no mesmo dia, hora e local?

É de salientar, ainda que Agência Portuguesa do Ambiente também faz monitorização da qualidade das águas e até à presente data nada referiu acerca da qualidade das mesmas, o que significa que cumprem o estipulado na lei.

Estamos assim perante factos contraditórios como já aconteceu em anos anteriores, que prejudica claramente a Vila de Prado. Não se compreende e estranha-se que o mesmo rio tenha uma bandeira vermelha numa das margens e uma bandeira verde na margem oposta. O município de Vila Verde apesar dos esforços já realizados vai continuar a exigir uma fiscalização rigorosa aos possíveis focos de contaminação e articular com as entidades competentes medidas que possam devolver o mais breve possível este espaço de veraneio aos amantes da praia fluvial do Faial.

Vila Verde, 16 de julho de 2017,
O Gabinete de Comunicação

---
Redacção
ovilaverdense@gmail.com