ÚLTIMA HORA: Aliança Artesanal paga 600 euros por «violação e uso ilegal» da marca Lenços de Namorados / «A Adere-Minho tudo faz para prejudicar Vila Verde...» - Júlia Fernandes

A Cooperativa Aliança Artesanal e a vereadora Júlia Fernandes foram acusadas pelo Ministério Público de «violação e uso ilegal» da marca e da indicação geográfica “Lenços dos Namorados do Minho”, que pertence à Adere-Minho.


«O processo de que fomos alvo está suspenso por um período de sete meses e a Aliança Artesanal vai cumprir as injunções, o que determinará o seu arquivamento», explicou Júlia Fernandes.

No entanto, a vereadora e a Cooperativa aceitaram pagar 600 euros à APPACDM de Vila Verde, desactivar o site aliancartesanal.pt e retirar do Facebook e das embalagens a designação "Lenços de Namorados”, com vista à suspensão do processo.

A acusação do Ministério Público surge na sequência de uma queixa-crime feita pela Adere-Minho à ASAE, sobre o que considera ser um «uso indevido e abusivo» da marca e da indicação geográfica Lenços de Namorados do Minho.

Segundo o despacho do MP, a vereadora, na qualidade de responsável pela gestão/administração e os destinos da Aliança Artesanal e dos fundos/receitas por ela gerados, estava ciente de que a utilização dos dizeres “Lenços dos Namorados” e “Lenços dos Namorados de Vila Verde” «era manifestamente susceptível – devido à semelhança do seu grafismo, fonética e conceito – de ser confundida, pelos clientes/consumidores que ali se deslocassem, com os lenços decorativos certificados, denominados “Lenços dos Namorados do Minho”».

Para o Ministério Público, Júlia Fernandes agiu «visando aproveitar o prestígio da denominação protegida em causa para obter maiores proveitos económicos», «bem sabendo que a sua conduta era proibida e punida por lei».

Está acusada, em autoria material, na forma consumada, de um crime de violação e uso ilegal de denominação de origem ou de indicação geográfica.
À cooperativa Aliança Artesanal, o MP imputa um crime de violação e uso ilegal de denominação de origem ou de indicação geográfica, na forma consumada.

ALIANÇA ARTESANAL VAI MANTER TRABALHO

«Não vejo como é que se pode deixar de chamar "Lenços de Namorados" aos lenços que promovemos e que são nossos. Entendo que não há conflito com a designação "Lenços de namorados do Minho" como alega a Adere Minho que tem essa marca registada», frisa Júlia Fernandes.

Segundo a vereadora, que presidente da Aliança Artesanal, a Cooperativa vai «continuar a defender» o património vilaverdense «e a honrar o trabalho de todas as mulheres que recolheram e valorizaram» os lenços.
«Tudo farei para defender os Lenços de Namorados e a Aliança Artesanal. Lutarei contra todos os oportunistas que tudo fazem para prejudicar o nosso concelho e impedir que os Lenços de Namorados e projectos como o Namorar Portugal, que valorizam e promovem o nosso território, não possam ser desenvolvidos», vinca.

ADERE-MINHO «PREJUDICA VILA VERDE»
No mesmo comunicado/resposta, Júlia Fernandes diz que «a Aliança Artesanal foi fundada em 1988 e sempre trabalhou com Lenços de Namorados. Grandes mulheres vilaverdenses como a Prof. Carmo Rocha e a D. Conceição Pinheiro, entre muitas outras, fizeram um trabalho notável de recolha e promoção destes belíssimos exemplares e permitiram que eles chegassem aos nossos dias, tal como se faziam em finais do século XVIII. Hoje, a marca Namorar Portugal, inspirada nos motivos dos Lenços de Namorados, comercializa milhares de produtos permitindo a criação de emprego e a promoção do nosso território».

E remata: «a Adere Minho registou a marca "Lenços de Namorados do Minho" e tudo faz para prejudicar Vila Verde, perseguindo a Aliança Artesanal e os parceiros Namorar Portugal, apresentando queixas à ASAE e enviando processos para Tribunal».

    Jornal o VilaVerdense
17 de Julho de 2017 / 18:13

Partilhar no Facebook  Partilhar no Facebook


-VILA DE PRADO: Jogos de Tabuleiro motivam encontro familiar na Biblioteca

-INCÊNDIOS: Bombeiros combatem chamas em Pedregais

-Alunos da EPATV organizaram Tertúlia “Cozinha, do Tradicional ao Contemporâneo”

-TRIBUNAL: Empresa contesta concurso da BRAVAL para contratação de 42 trabalhadores

-SANEAMENTO: Obra de mais de 780 mil euros em curso em Cabanelas

-LOUREIRA: Encontro de Concertinas no dia 25 de Abril

- GNR: 148 detidos em flagrante no fim-de-semana

-REGIÃO: Buscas por pescador desaparecido sábado no rio Minho retomadas

-“Semana da Saúde” até sexta-feira na ESVV

-BRAGA: Museus D. Diogo e Pio XII cedem peças para mostra em Ourense sobre reino suevo

-DESTAQUE: Tradição e muita gente no VI Festival de Folclore do Vale do Homem

-BRAGA: Concerto ‘Outro Tempo, José Afonso’ marca comemorações do 25 de Abril

-CRIME: Vilaverdense detido em Amares na posse de 95 gr de haxixe

-CABANELAS: “Sopas e Caldos” para juntar comunidade e angariar verbas

-AAUMinho arrecada bronze no basquetebol masculino

-ACTIVIDADE GNR: 46 pessoas detidas nas últimas doze horas… um morto e três feridos graves em 64 acidentes de trânsito

-BRAGA: Câmara promoveu formação em animação Stop Motion para prof’s

-FUTEBOL (Pró-Nacional): GD Prado com teste de fogo frente ao Taipas

-FUTEBOL (I Divisão): Lanhas quer surpreender o líder

-VILARINHO: Associação assinala Dia da Mãe no primeiro fim-de-semana de Maio

-SOLIDARIEDADE: JS Vila Verde entrega bens na Loja Social de Prado

-Autarcas monárquicos entregaram «medalha de honra» a Miguel Albuquerque, Presidente da Madeira

-DESTAQUE: Câmara de Braga dá cheque veterinário a famílias carenciadas

-REGIÃO: ISAVE promoveu seminário sobre Literacia em Saúde

-BRAGA: Luís Represas visitou crianças no Serviço de Pediatria

- ACTIVIDADE GNR: 36 detidos nas últimas 12 horas

-FUTEBOL ( CPP): Vilaverdense FC fecha campeonato na casa da AD Oliveirense

-POLÉMICA: Cação e Luís Castro voltam a trocar argumentos

-CRIME: Suspeito de burla informática de Barcelos detido no Brasil

-INCÊNDIOS: Braga, Vieira do Minho e Fafe recebem verba para projectos “urgentes e inadiáveis”









Jornal O Vilaverdense